Feminista em construção.

De tantas que descubro em mim, tudo em construção, uma feminista aliás..

Não me lembro bem da primeira vez que ouvi falar em feminismo, mas acredito que tenha sido ainda na infância, eu sabia que era algo que lutava pela igualdade de direitos das mulheres, em relação aos direitos dos homens, o que naquela época, já me parecia uma coisa certa. Na adolescência permaneci com a mesma opinião, conhecendo dados da história, o porquê de existir um dia internacional da mulher, pra mim parecia impossível não entender que era uma luta importante, porém eu não me via como uma feminista, talvez por não me sentir ativa em nenhuma luta, talvez por não conhecer o movimento profundamente.

Hoje, é inegável o quanto esse movimento cresceu, com a internet nos trazendo a informação de forma cada vez mais rápida, somos bombardeados todo o tempo com notícias que trazem a palavra feminismo, defendendo ou não. E com a crescente da informação, veio a crescente das divergências de opiniões, vi amigas colocarem na sua discrição das redes sociais a palavra feminista, como parte de si, fazerem postagens mostrando a importância, fazendo parte da luta. E também vi outras dizendo que não precisam disso, que não gostam e etc. Senti que eu precisava saber quem eu era, não que eu precisasse dizer pra alguém, embora esteja fazendo isso agora, mas queria saber, por mim, pra mim, quem eu era no meio da “discussão”. Como profissional da área de moda principalmente, entendi que não era um assunto para deixar passar batido, o corpo é a razão da minha profissão e o feminino principalmente.

Então fui procurar saber, timidamente na verdade, não aprofundei a pesquisa, mas sempre que via algo a respeito eu parava pra ler, “dei um google” básico também, achei que era o mínimo a ser feito, como ter uma opinião sem conhecer? Eu precisava saber o que era o feminismo em origem, o que de fato condizia ou não, com o que eu ouvia falar.

O que eu achei então? A primeira coisa que descobri é que feminismo não é o contrário de machismo, como muitas pessoas pensam, o nome disso é femismo. Por isso, o feminismo não prega a superioridade das mulheres sobre os homens, ele busca que as mulheres tenham os mesmos diretos dos homens. Mas então porque a palavra tem a mesma origem etimológica, de feminino “fem”, justamente porque é um movimento que busca que as mulheres tenham os mesmos direitos que os homens já tem, é uma luta das mulheres. E inclusive, quem inventou o termo foi um homem, por entender isso.

É verdade, que no Brasil, as mulheres já conquistaram muitas coisas com o passar do tempo, mas ainda há muito pelo que lutar, sabemos que as mulheres são muito mais julgadas do que os homens pela formam que se comportam por exemplo, tem média salarial mais baixa, dentre tantas outras que se eu fosse citar, faria um texto sem fim.

Mas em resumo, conhecendo um pouco mais do que de fato é o feminismo, conclui que eu não poderia deixar de ser feminista, porque sim, eu concordo que as mulheres ainda são mais penalizadas em diversas situações. Porém, seria hipocrisia a minha não perceber que ainda tenho atitudes machistas, como uma julgar uma mulher pela roupa ou por determinado comportamento, até porque, como todo mundo, sou um ser em evolução e evoluir é se vigiar e melhorar todos os dias, cair em alguns erros é normal, mas sempre busco me questionar e respeitar meu próprio tempo de assimilar as coisas. E foi assim que percebi que sou uma feminista em construção, concordo com o que o feminismo é, mas não sou ainda, 100% atitude.

Algo que eu queria salientar é, muitas pessoas me dizem que não são feministas, pois não odeiam os homens ou porque não concordam com fulana de tal que se diz feminista, mas isso não faz sentido. Eu também não odeio os homens, tenho um pai, dois irmãos, um marido, vários amigos e jamais os odiaria, mas isso não quer dizer que não queira os mesmos direitos enquanto ser humano pra mim e para outras mulheres. E quanto a um determinado discurso que não te representa, de quem se diz feminista (já ouvi vários), não deixe que manche todo um movimento justo, as pessoas erram lembra? Se você ouviu algo que não te serve, não leve adiante, mas pesquise antes de formar uma opinião ou entrar em uma discussão, há sempre o que se compreender.

Publicado por florencerocha

Sou formada em Moda, pela Universidade Feevale, de Novo Hamburgo - RS e pós graduanda em Psicologia, Moda e Comportamento do Consumidor pela Uniara - Universidade de Araraquara - SP . Sou apaixonada por escrever e questionar as coisas!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: